Inclusão Notícias

40% das Mulheres com Deficiência já Sofreram Violência Doméstica

Texto extraído de: Vida Mais Livre

Pesquisa de organizações nacionais e internacionais que direcionam seus trabalhos para temas envolvendo mulheres, apontou que, aproximadamente, 40% das mulheres com algum tipo de deficiência já tenha sofrido violência doméstica no mundo. Os dados são da promotora de justiça, Stella Cavalcanti, passados durante o seminário “Uma reflexão sobre a violência contra a mulher e a mulher com deficiência”.

Segundo a promotora, as deficientes sofrem mais do que as outras mulheres pelo simples fato de terem uma dificuldade ainda maior de denunciar seus agressores que estão principalmente entre familiares ou seus cuidadores.

Leia também:

Desrespeito aos Deficientes

Cego é Homenageado por ser Frequentador mais Assíduo de Biblioteca em SP

“As mulheres com deficiente, além de ter medo de denunciar, ainda sofrem com a violência institucional por não terem credibilidade, pelas pessoas acharem que estão dando uma de vítimas por serem deficientes. A situação é grave e este debate é justamente para alertar de que essas mulheres devem procurar os órgãos responsáveis e fazer a denúncia porque elas sofrem várias discriminações”, ressaltou Stella Cavalcanti.

Solange Ferreira, coordenadora de Políticas de Pessoas com Deficiência da Secretaria Nacional de Promoção da Pessoa Com Deficiência, falou sobre “Ser mulher e ter deficiência: como enfrentar esta dupla discriminação”.

Em seguida, a palestra promovida pela promotora de Justiça Stella Valéria Cavalcanti: “Questões controvertidas sobre a Lei Maria da Penha”. A autoridade ministerial é mestra em Direito Público pela Universidade Federal de Alagoas e autora do livro “Violência doméstica contra a mulher”.

A abertura dos trabalhos foi feita pela secretária estadual da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos, Kátia Born.

Fonte: Tribuna Hoje
Foto: Sandro Lima

One Reply to “40% das Mulheres com Deficiência já Sofreram Violência Doméstica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *