Inclusão

Como incluir (de fato) pessoas com deficiência na sua empresa

10 pontos importantes para ser uma empresa verdadeiramente inclusiva

Atualmente, muitas empresas têm se preocupado em ter um quadro de funcionários que leve em conta a diversidade e inclusão. Os benefícios da inclusão são tangíveis não apenas para o profissional incluído, mas também para a empresa, que melhora seu ambiente organizacional como um todo. Quando se promove a igualdade, assumindo um compromisso com as minorias, trabalha-se com responsabilidade social. Em decorrência disso, as equipes sentem-se mais valorizadas, tornando-se mais engajadas e produtivas. Além disso, a diversidade promove a otimização dos projetos, influenciando diretamente no resultado dos negócios.

Leia aqui artigo sobre as vantagens na contratação de PcD

Mesmo diante dos benefícios de um ambiente que valoriza a diversidade, pesquisa da i.Social apontou que 86% das empresas que possuem cota de PcD só as contratam motivadas pelo cumprimento da legislação.

Pensando nisso, listamos 10 pontos estratégicos que podem auxiliar nesse processo:

1- O local de trabalho precisa ser totalmente acessível para a pessoa com deficiência e isso varia de acordo com o tipo de deficiência que ela possui. Se o profissional for cadeirante, por exemplo, é preciso verificar se a empresa possui rampas, acesso a elevadores em todos os andares, banheiros acessíveis, circulação interna e acesso às áreas comuns da empresa. Se tiver deficiência visual, é necessário certificar-se de que haja softwares de leitura nos computadores da empresa, ou outros tipos de tecnologia que lhe auxiliem na execução de seu trabalho. Ou seja, a empresa deve considerar se possui acessiblidade para o tipo de deficiência que o profissional tem. Para tanto, é útil perguntar à PcD quais são suas necessidades específicas.

Leia aqui artigo sobre tecnologias assistivas

2- De maneira geral, é necessário levar em conta se a empresa cumpre todos os seis requisitos de acessibilidade: atitudinal (sem atitudes de preconceito e discriminação contra as PcD), arquitetônica (sem barreiras físicas para as PcD), comunicacional (sem barreiras linguísticas), instrumental (sem barreiras no uso dos materiais e ferramentas pela PcD), metodológica (métodos e técnicas de treinamento e desenvolvimento de recursos humanos devem levar em conta as necessidades das PcD) e programática (regulamentos e normas da empresa devem considerar a inclusão da PcD).

3- O foco deve ser sempre em incluir a pessoa com deficiência, e não apenas contratá-la. Muitas empresas desperdiçam recursos e talentos ao empregar um profissional qualificado e não aproveitar todo seu potencial. Algumas vezes, ótimos profissionais são contratados, mas a empresa, por não saber como explorar suas competências,  deixam-nos  “encostados em um canto”, realizando tarefas aquém de seus potenciais. Para evitar isso, as habilidades e competências e limitações específicas de cada PcD devem ser consideradas.

4- O respeito às diferenças e valorização da diversidade são os pontos-chave de um programa de inclusão bem-sucedido. A empresa deve se esforçar para ter um ambiente igualitário e inclusivo não somente no que se refere às pessoas com deficiência, mas em todos os setores: deve priorizar a contratação de pessoas de diferentes raças, religiões, identidades de gênero e orientações sexuais. Profissionalmente, a presença da diversidade está associada a melhores resultados, mais criatividade no trabalho e diminuição de rotatividade.

5- A contratação não deve ser vista como um “favor” que a empresa faz ao contratar uma PcD, mas, em vez disso, deve representar a oportunidade de inserir de um novo colaborador, produtivo e eficiente, capaz de agregar novos valores, contribuir com seu trabalho e ampliar os horizontes de todos. Vários estudos mostram diversas vantagens no aumento na produtividade e melhoria nas relações entre colegas de trabalho em ambientes diversificados e inclusivos. Ou seja, é importante ter em vista que a empresa não somente cumpre uma obrigação legal de contratar uma PcD, mas também ganha com isso.

6- É fundamental instituir uma cultura organizacional com programas de conscientização e esclarecimento sobre diversidade e inclusão, para que todos os funcionários aprendam a respeitar e, acima de tudo, a valorizar essas diferenças. A inclusão deve ser uma oportunidade de melhoria do processo atual utilizado pelas empresas, na qual a PcD contribui como agente transformador para romper com antigos paradigmas existentes e ampliar a visão de todos acerca da deficiência e diversidade.

7- Além dos treinamentos e palestras que devem ser feitos regularmente visando à conscientização de todos, é necessário também esclarecer os funcionários da área que vai receber a pessoa deficiente. Eles devem ser orientados sobre as particularidades daquela PcD específica, como tratá-la, quais suas necessidades, etc. Deve haver um trabalho intenso de sensibilização corporativa, especialmente com relação aos gestores e pessoas que lidarão diretamente com o deficiente.

8- A capacidade de atrair as melhores PcD começa no recrutamento e seleção. A empresa deve constantemente buscar novos talentos, independente das vagas abertas. Uma maneira de facilitar essa tarefa é investir em um banco de currículos amplo e diversificado. Com 18 anos de experiência de atuação no mercado de inclusão, a i.Social construiu o maior e mais qualificado banco de currículos de pessoas com deficiência do Brasil. São cerca de 100 mil profissionais com deficiência cadastrados e ativos.

9- A empresa que quiser atrair os melhores profissionais deve investir na comunicação para todos os públicos, internos e externos, utilizando a comunicação como ferramenta de informação, conscientização e atratividade. Tanto os funcionários devem ser conscientizados, como deverá haver campanhas educativas voltadas à publicidade em busca de novos talentos. Essa divulgação tem duas vantagens: além de ajudar a atrair os melhores profissionais, ainda reforça a imagem da empresa como um ambiente inclusivo e democrático.

10- Utilizando as práticas acima, a empresa, além de cumprir todas as exigências legais da Lei de Cotas, torna-se mais produtiva e efetiva, proporciona um melhor ambiente de trabalho a todos e, por fim, pode tornar-se referência no mercado de trabalho para outras empresas no que se refere a empregabilidade de PcD. Com isso, além de se beneficiar do impacto positivo em sua imagem, ela ainda influencia outras empresas a adotar práticas inclusivas, contribuindo para um mundo mais igualitário e justo.

i.Social é uma consultoria com foco na inclusão social e econômica de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Cadastre seu CV em nosso site: i.Social – Soluções em Inclusão Social.

Se você é profissional de RH e deseja abrir suas vagas conosco, entre em contato através do e-mail: atendimento@isocial.com.br ou do telefone (11) 3891-2511. Será um prazer atendê-lo(a)!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *