Carreira, Inclusão

Cotas Abrem Mercado de Trabalho para Profissionais com Deficiência

15894784

Texto extraído de: Zero Hora, por Maria Amélia Vargas

Há cinco anos, um acidente de trânsito retardou o início da vida profissional de Braulio da Rosa Leite, de 20 anos, e deixou como sequela o uso de muletas para se locomover. Com a coluna fraturada, passou por um longo período de recuperação, atrasou seus estudos e, consequentemente, o ingresso no mercado de trabalho. Em 2011, porém, começou a trabalhar como operador de fundição na Stihl Ferramentas Motorizadas, em São Leopoldo, superou as dificuldades iniciais e já tem planos para a carreira.

— Estou tão motivado com a oportunidade que pretendo fazer o curso técnico em engenharia de produção para continuar a crescer na empresa. Eu sempre quis essa área, e a minha condição não me impediu de seguir meu sonho — testemunha.

Como Braulio, o cadeirante Ivan Amaral, 30 anos, faz parte do grupo de cem funcionários que têm algum tipo de deficiência entre os quase 2 mil empregados da Stihl. Amaral conta que, quando começou a trabalhar, ainda não tinha completado o Ensino Médio, mas o emprego o estimulou a completar os estudos e querer mais.

— Hoje estou cursando o técnico em segunça do trabalho e pretendo seguir adiante na carreira — relata o profissional.

Mais do que cumprir a legislação, a Stihl tem um programa que busca dar condições para que esses colaboradores possam se tornar cada vez mais produtivos em suas atividades.

— Para integrar melhor as pessoas com deficiência (PCDs), oferecemos treinamentos e workshops para todos que entram na empresa aprenderem a conviver com as diferenças e as limitações dos cotistas. Fazemos, ainda, acompanhamento individual para garantir que os PCDs estejam bem colocados ou se há necessidade de trocar de função — explica Eliane Dall-Agnese, analista de serviço social da Sthil.

A lei das cotas para deficientes foi a mola propulsora para as organizações compreenderem o processo de inclusão dessas pessoas, analisa Marcelo Rodrigues, sócio da Egalitê — empresa que recruta, treina e presta consultoria a PCDs.

— As companhias perceberam que o recrutamento assertivo coloca o profissional dentro do processo de trabalho e aumenta a produtividade. Mas isso exige esforço da empresa, investimento e preparação de lideranças — ressalta Rodrigues.

Um dos grandes desafios da inclusão está na delicada contratação de pessoal com deficiência mental e intelectual. O Programa Superar, do Grupo Bettanin — com atuação nos ramo de higiene, limpeza, acabamento, organização e conservação —, dá atenção especial a esse nicho de profissionais.

— Do total de 99 PCDs contratados, 69 têm algum tipo de deficiência mental ou intelectual. Temos acompanhamento próximo desse colaborador e também contamos com ajuda das famílias. Toda a equipe se envolve no processo, facilitando a integração e o desenvolvimento desse funcionário — salienta Cristine Lionello de Santis, responsável pelo Programa Superar.

Foi por meio da ação realizada pelo Grupo Bettanin que Márcio da Cunha Viana e Lidiane Raupp Justo conquistaram a carteira assinada.

A deficiência intelectual não impede que o auxiliar de expedição de 34 anos realize suas atividades. Assim como as deficiências múltiplas da jovem funcionária da linha de montagem não atrapalharam os seus anseios profissionais.

— Eu gosto muito do meu trabalho e dos meus colegas. Meu plano é ficar aqui até me aposentar — conta Lidiane.

Grande família

No setor do armazém da Vonpar, em Porto Alegre, a triagem e montagem dos packs é realizada por uma equipe composta exclusivamente por funcionários com deficiência intelectual, exceto o monitor. O grupo começou a se formar há três anos e hoje se considera uma família.

— São como se fossem meus filhos, cuido deles e quero que prosperem sempre — elogia Felipe Viegas, monitor do grupo de PCDs do armazém.

A equipe, que faz parte de um time de 150 funcionários, se formou pela sincronia entre as vagas em aberto e as habilidades que eles apresentam: concentração, foco e produtividade, que são fundamentais para as funções que exercem, explica Amarildo de Souza, gerente de RH da Vonpar Marcos Schilling Martins, de 27 anos, diz que adora o seu trabalho:

— Fazemos rodízio aqui, mas gosto mesmo é de montar os packs com os produtos.

Como facilitar a inclusão das pessoas com deficiência

> O recrutamento deve priorizar o potencial da pessoa com deficiência.

> As equipes que vão receber as pessoas com deficiência devem ser preparadas para entender as diferenças e o processo inclusivo.

> O principal receio dos gestores é sobre produtividade, mas quando conhecem melhor o assunto, conseguem fazer com que equipes apoiadas na diversidade alcancem altas performances.

> O maior inimigo da inclusão é o desconhecimento. Empresas que entendem as pessoas com deficiência conseguem ótimos resultados a partir da diversidade dos colaboradores.

> A lei de cotas é a mola propulsora da inclusão de PCDs no Brasil, mas as empresas que enxergam nela uma oportunidade de investir têm conseguido retornos sociais e também financeiros.

Fonte: Marcelo Rodrigues, sócio da Egalitê

Programas voltados para deficientes no Estado

APAE Porto alegre

> A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Porto Alegre (Apae) realiza preparação e qualificação da pessoa com deficiência intelectual ao trabalho.

> Por meio do Serviço de Inclusão e Assessoramento Profissional, um assistente social e um psicólogo fazem a inclusão e o acompanhamento do aluno/usuário nas empresas.

> Para fazer parte deste programa é preciso estar matriculado e frequentando uma das escolas da Apae. Informações no site da Apae Porto Alegre.

SENAI

> O encaminhamento das pessoas com deficiência para os cursos oferecidos pelo Senai ocorre por meio das entidades representativas das diferentes áreas da deficiência, como Apae, associação de pessoas com deficiência física e associação de pessoas com deficiência visual, entre outras.

> São oferecidas vagas nos cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores e educação profissional técnica de nível médio.

> Mais informações no site do Senai-RS ou pelo telefone (51) 3347-8787.

SENAC

> O Senac Comunidade Zona Norte e Comunidade Centro oferecem cursos de Aprendizagem Comercial para PCD’s (pessoas com deficiência intelectual e psicossocial).

> Como essas qualificações estão ligadas às cotas do Programa Jovem Aprendiz, todos os estudantes devem estar cotizados por alguma empresa.

> As pessoas com deficiência que ainda não estão vinculadas a uma organização, podem entrar em contato com a escola e preencher um cadastro que será encaminhado para empresas parceiras.

> Informações pelo site do Senac-RS.

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Não GosteiGostei (Sem votos)
Loading...

i.social

Uma Reposta para “Cotas Abrem Mercado de Trabalho para Profissionais com Deficiência”

  1. On 29 de junho de 2016 at 20:46 HELENPERES respondeu com... #

    HELEN PERES
    RUA CARANGOLA,110
    BANGU-RIO DE JANEIRO
    MAE(21)21355221 (SURDO) 21967526736
    1.1 Dados Pessoais
    • Naturalidade: RIO de janeiro
    • Nacionalidade:Braliera
    • Estdo Civil:solteira
    • Data de Nascimento:02/08/1983
    2 Formação
    • Instituto de Educação de surdos
    • Ensino Fundamental lncompleto (4ano)
    3 ExperiÊnciaPrfissional

    • Empresa:victor hugo artefatos de couro ltda
    • Função:1/2 Oficial de mesa
    • Periodo:03/07/2002 a 02/09/2009
    4 Empresa: EMPREGADOR:44 IND COMERCIO E EXPORTACAO DE ALIMENTOS LTDA
    • Função:Auxiliar Serviços Gerais
    • Periodo:04/03/2013 a 06/09/2013
    5 Empresa: EMBALADORA ALLPACKS LTDA
    • Função: Auxiliar de Produção
    • Perodo:06/10/2013 a28/6/2015
    6 Expectativa Profissinal

    • Colocar-me profissionalmente a fim contribui para o desenvolvimento e crescimento da empresa em que atuarei.
    • Responsabilizo-me pela veracidade das informaçães acima.

Adicione sua resposta