Inclusão

A Deficiência no Brasil

deficiências

Texto extraído de: Pessoa com Deficiência, Cartilha do Censo 2010

Os dados coletados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, no censo demográfico de 2010, descreveram a prevalência dos diferentes tipos de deficiência e as características das pessoas que compõem esse segmento da população. A deficiência foi classificada pelo grau de severidade de acordo com a percepção das próprias pessoas entrevistadas sobre suas funcionalidades. A avaliação foi feita com o uso de facilitadores como óculos e lentes de contato, aparelhos de audição, bengalas e próteses. As perguntas feitas aos entrevistados buscaram identificar as deficiências visual, auditiva e motora pelos seguintes graus de dificuldade: (i) tem alguma dificuldade em realizar; (ii) tem grande dificuldade e, (iii) não consegue realizar de modo algum; além da deficiência mental ou intelectual. Os questionários seguiram as propostas do Grupo de Washington sobre Estatísticas das Pessoas com Deficiência. Todos os dados, tabelas, gráficos e demais informações desta cartilha foram retirados da publicação: “Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência”, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

gráfico 1

Considerando a população residente no país, 23,9% possuíam pelo menos uma das eficiências investigadas: visual, auditiva, motora e mental ou intelectual. A prevalência da deficiência variou de acordo com a natureza delas. A deficiência visual apresentou a maior ocorrência, afetando 18,6% da população brasileira. Em segundo lugar está a deficiência motora, ocorrendo em 7% da população, seguida da deficiência auditiva, em 5,10% e da deficiência mental ou intelectual, em 1,40%. Os direitos humanos são assegurados a todos os brasileiros com deficiência e para esse grupo são desenvolvidos programas e ações do Governo Federal e da Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. No entanto, o foco primário das políticas públicas é o segmento das pessoas que apresentam deficiência severa. O contingente de pessoas identificadas por possuir deficiência severa foi calculado pela soma das respostas positivas às perguntas “tem grande dificuldade” e “não consegue de modo algum”. A proporção de pessoas que apresentou deficiências severas é bem menor do que a daquelas com pelo menos uma das deficiências, que inclui as pessoas que responderam que enfrentam “alguma dificuldade” em ouvir, enxergar e em se locomover.

gráfico 2

Os programas do governo promovem a inclusão da pessoa com deficiência ao assistirem pessoas de acordo com suas características: física, sensorial e mental ou intelectual, sejam elas severas ou não severas. Os programas incluem, também, todos os grupos de idade: crianças, adolescentes, adultos e idosos. Embora haja uma forte relação entre os dados por faixas etárias de pessoas com pelo menos uma das deficiências investigadas e as pessoas com deficiências severas, esse último grupo é bem menor do que o primeiro em todos os agrupamentos. No grupo de 0 a 14 anos, a deficiência atinge 7,53% para o primeiro segmento e 2,39% para o segundo; no grupo de 15 a 64 anos, a relação é de 24,9% e 7,13% e no grupo de 65 anos ou mais, 67,73% e 41,81%.

gráfico 3

gráfico 4

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

Não GosteiGostei (Sem votos)
Loading...

i.social

5 Responses para “A Deficiência no Brasil”

  1. On 12 de janeiro de 2016 at 21:45 manoel marcio respondeu com... #

    Óla boa tarde filha de DEUS tudo bem …..nobre MARA GABRILLI venho por este meio parabeniza-la pelo grande tabalho que vem fazendo em prol desta nação brasileira ..gostaria de deixar aqui em poucas palavras uma ideia em relação aos nossos irmão deficientes no brasil ,eu como portador de deficiencia tenho estado e ciente dos tramites das leis do congresso que ajuda os deficientes fisicos principalmente as que se refere as isenções para compra de carros novos com 30% de desconto,muito bem no entanto eu tenho encontrado muitas barreira para a compra destes carros que mesmo com estes bons descontos ainda se encontra caros e com muitas dificuldade na hora de financiá-los…quero deixar aqui minha idéia ao governo brasileiro em relação a estes descontos (isenções )..gostaria que o congresso revesse esta lei e facilitasse ou mudasse a lei para que possamos comprar carros semi novo e que não necessariamente tenhamos que comprar carro 2016 e que esta lei posso nos ajudar a comprar carros até 5 anos abaixo do ano de 2016 com as mesmas isenções e leis que tem direito um deficiente……………um abração e que DEUS nos ajude…um abração….

    • On 18 de maio de 2016 at 13:48 silvia h. m.marques respondeu com... #

      Sabe, eu vejo estes programas como um lindo prato de porcelana todo desenhado com lindas flores, mas com uma comida podre nele. Estou sendo rigorosa?! Poisa bem, vamos lá! Não existe acessibilidade, nem nas ruas, nem nas escolas, universidades. Outra, este programa que o Marcio agradece pelo abatimento que o governo dá para compra de carro é um nó emaranhado. Nas empresas são aceitas 5% da população deficiente, é claro que neste contexto os impostos são reduzidos pra os empresário, ne? Mesmo assim, é a maior humilhação. Trabalhei nos correios e pedi pra sair, pois prefiro passar fome do que morrer de fome e de angústia. A humilhação tinha até no olhar, no sorriso irônico. E eles não aceitam que gente como nós saibam mais ou igual a eles. Gente, uma coisa é ser deficiente, outra é ser idiota! Acodem pra vida! Difícil não é ser deficiente. O lamento é não ser tratada com respeito.

      • On 14 de julho de 2016 at 14:49 Cleober respondeu com... #

        Concordo e muito com você, mas pra maioria de nós não tem volta. A saída é o concurso público, tem empresa que abre até 20%.

  2. On 1 de agosto de 2016 at 12:32 clayton gomes de abreu respondeu com... #

    eu presiço trabalhos urgente ajuda livre mão leve facil arruma

  3. On 1 de agosto de 2016 at 12:33 clayton gomes de abreu respondeu com... #

    ajuda eu sou auditivo surdo mão professoral pode leve arruma poder faz

Adicione sua resposta