Inclusão, RH Inclusivo

Desenho Universal

Texto extraído de: Vida Mais Livre PorAndrea Schwarz

Quando Jaques e eu estávamos escrevendo o Guia Brasil para Todos, fizemos questão de incluir uma sessão sobre o Desenho Universal. Esse conceito pode parecer bastante complexo na teoria, mas é muito simples na prática.

O Desenho Universal, ao contrário do que muita gente pensa, não foi inventado por um único homem, no entanto, o termo Universal Design foi usado pela primeira vez em 1985, pelo arquiteto americano Ronald Mace. No mundo ideal não haveria barreiras arquitetônicas impedindo que as pessoas tivessem acesso a onde quer que fosse. O mundo ideal não seria planejado para o “homem padrão”, mas sim englobaria toda a diversidade de pessoas em seus diferentes aspectos físicos.

Desde quando nasce, uma pessoa começa a interagir com o ambiente e superar as suas barreiras para ter acesso a alguma coisa que lhe traga satisfação ou prazer. E o processo de aprendizagem vai evoluindo com o passar dos anos. No entanto, algumas pessoas podem adquirir limitações ao longo da vida – ou já terem nascido com elas. É justamente nesse momento que o Desenho Universal pode ser fundamental para facilitar a vida de uma pessoa. Pensando nisso, Mace e sua equipe estipularam alguns princípios que deveriam ser levados em conta na construção arquitetônica ou na confecção de objetos utilitários:

No uso equitativo o desenho de qualquer projeto deve ser utilizável por pessoas com habilidades diversas e prover os mesmos significados de uso para todos os usuários. Um exemplo do uso equitativo são as portas automáticas, com sensores, que se abrem sem exigir força física ou alcance das mãos.

Na flexibilidade de uso, o projeto precisa ser adaptado a um largo alcance de preferências e habilidades individuais e possibilitar que o usuário faça sua escolha na forma de utilização, como, por exemplo, escadas rolantes que devem oferecer um patamar horizontal antes da subida, para que haja tempo de adaptação à mudança de velocidade no deslocamento do usuário.

Em relação ao uso intuitivo o projeto deve ser criado de modo a ser de fácil entendimento, eliminando qualquer complexidade desnecessária. A simbologia de identificação fácil e intuitiva, com desenhos, sem texto, é um exemplo desse princípio.

A informação perceptível é traduzida pelas informações efetivas ao usuário, independentemente das condições do ambiente e das habilidades sensoriais de cada um. Temos como exemplo os mapas táteis, em relevo, que permitem que as pessoas com deficiência visual identifiquem o ambiente em que se encontram.

A tolerância ao erro tem como base a minimização dos riscos e das consequências adversas de acidentes. As escadas e rampas com corrimão e piso antiderrapante são bons exemplos desse princípio.

No baixo esforço físico, o projeto deve ser usado de maneira que a pessoa mantenha a posição do corpo neutra e a força utilizada seja de moderada intensidade. Como exemplo, temos as torneiras com sensor de movimento ou as de monocomando.

O tamanho e espaço para acesso e uso devem ser apropriados para acesso, manipulação e uso, independentemente das dimensões do corpo, postura ou mobilidade do usuário. Dessa forma, os assentos devem ser mais largos para comportar confortavelmente pessoas obesas.

Como se vê, o Desenho Universal beneficia uma gama enorme de pessoas a quem o mundo apresenta barreiras, barreiras essas muito fáceis de serem ultrapassadas, basta a gente querer.

Tags: , ,

Não GosteiGostei (Sem votos)
Loading...

i.social

2 Responses para “Desenho Universal”

  1. On 14 de janeiro de 2013 at 11:47 RAFAEL MARCOS GARCIA respondeu com... #

    Parabéns pelo site. Jesus é fiel

  2. On 8 de fevereiro de 2013 at 12:07 RAFAEL MARCOS GARCIA respondeu com... #

    Humilha teu coração, espera com paciência, dá ouvidos e acolhe as palavras de sabedoria; não te perturbes no tempo da infelicidade,
    sofre as demoras de Deus; dedica-te a Deus, espera com paciência, a fim de que no derradeiro momento tua vida se enriqueça.
    Aceita tudo o que te acontecer. Na dor, permanece firme; na humilhação, tem paciência.
    Pois é pelo fogo que se experimentam o ouro e a prata, e os homens agradáveis a Deus, pelo cadinho da humilhação.

Adicione sua resposta