Inclusão

PCDs X Escolaridade X Vagas

Texto extraído de: Vida Mais Livre

Quando questionadas sobre o motivo de não conseguirem cumprir a cota na contratação de pessoas com deficiência, algumas empresas alegam que raramente encontram candidatos com qualificação profissional e ensino superior. É possível que isso aconteça considerando a qualidade da educação pública do Brasil e as dificuldades para que as pessoas com deficiência tenham acesso às escolas, porém, a baixa qualificação não é uma regra.

Leia também:

Manifesto em Defesa da Lei de Cotas

Abaixo-Assinado Contra a Redução de Cotas para Pessoas com Deficiência

A pesquisa realizada pela i.Social (nível nacional, com 800 pessoas, via internet) mostrou nos o contrário: 61,5% possuem grau de qualificação a partir de ensino superior incompleto chegando até pós-graduação concluída. 35,4% declararam que possuem ensino médio completo. Apenas 3,2% declararam possuir ensino fundamental incompleto ou completo.

Se os candidatos são qualificados, por que então as empresas não recebem respostas de suas vagas? Infelizmente, a grande maioria das vagas disponibilizadas para o cumprimento da lei está na base da pirâmide e com salários abaixo do mercado, outra possibilidade é a indiferença e preconceito dos gestores ao lidar com a capacidade de realização das tarefas do profissional.

Tags: , , , , , , , , ,

Não GosteiGostei (Sem votos)
Loading...

i.social

5 Responses para “PCDs X Escolaridade X Vagas”

  1. On 11 de julho de 2013 at 23:45 Leandro Ferraz respondeu com... #

    A verdade é que as empresas usam a falta de qualificação profissional como desculpas para não oferecer empregos melhores.
    Mesmo qualificados os cargos ficam na base da pirâmide.
    Os gestores brasileiros, neste aspecto, são despreparados, pouco interessados e muitas vezes preconceituosos.
    A fase das cotas para PCDs foi muito boa, esta na hora de mudar de nível e qualificar os PCDs para vagas de liderança.

  2. On 13 de julho de 2013 at 1:09 Jose Rui Nogueira respondeu com... #

    Essa pesquisa, só confirma o que todos sabem, a grande maioria das empresas só querem completar a cota, com empregos de salario minimo e pouca qualificação, ou seja quantidade não qualidade.
    Eles não querem e com certeza levara muito tempo para haver mudanças, que venham mais pesquisas, manifestações e leis que possam alterar esse panorama e a realidade das vagas para deficientes e reabilitados.
    Muito bom o tópico.

  3. On 1 de agosto de 2013 at 18:19 Luana Santos respondeu com... #

    Boa tarde. Tenho refletido bastante sobre esse assunto recentemente. Sou do RH de uma empresa grande e onde obviamente temos cotas. Tentamos sempre fugir do clichê do PCD na base da pirâmide e alocar esses candidatos em vagas de nivel pleno e sênior, por entender que a deficiência não desqualifica e por entender que devemos iniciar uma mudança de cultura. Porém nunca consegui um candidado qualificado pra essas vagas. Leio muito sobre empresa proporcionar o desenvolvimento profissional e acadêmico mas sinceramente não entedo bem como isso seria nesses casos.

  4. On 16 de agosto de 2013 at 11:01 tiago respondeu com... #

    Papo furado tudo disciplinas.
    Estou formar administração que as empresas oferece vagas só inferior do salario e cargo baixo.
    Tenho qualificação toda.achei difícil vagas para superior pcd auditvo.

  5. On 4 de maio de 2016 at 20:10 Marcilei respondeu com... #

    Boa tarde, o tema em questão foi muito bem abordado, porém como alguns colegas afirmaram realmente as vagas destinadas são as piores possíveis, sou uma das pessoas portadoras de deficiência que possui uma boa qualificação e experiência profissional, sempre que me aventurei a procurar vagas direcionadas a cotas me assustei com o tamanho descaso das empresas, em algumas até mesmo sugeri que eu pudesse entrar e ir subindo de cargo com o decorrer do tempo mas me afirmaram que as vagas disponibilizadas não teriam como possibilidade de crescimento profissional, enfim a informação de que não existem PCDs como qualificação foge totalmente da realidade encontrada no mercado de trabalho.

Adicione sua resposta