Inclusão

Trabalhar a Inclusão

Texto extraído de: Vida Mais Livre

Muita gente associa o conceito de acessibilidade apenas ao ir e vir de um lugar ao outro. A verdade é que a qualidade do que é acessível se estende por várias áreas, serviços e direitos, que juntos passeiam por nossa vida cotidiana e nos permitem exercer cidadania. O acesso ao mercado de trabalho é um exemplo destas frentes a ser contempladas.

No último mês, no dia 24 de julho, a Lei de Cotas comemorou seus 21 anos de vigência no Brasil. Para celebrar o marco, lançamos no portal Mara Gabrilli (www.maragabrilli.com.br) uma importante ferramenta para orientar as empresas na contratação de pessoas com deficiência: a Cartilha de Inclusão Profissional.

Leia também:

A Inclusão de Profissionais com Deficiência no Mercado de Trabalho: um Panorama Positivo para uma Mudança Necessária

Aumenta Empregos para Pessoas com Deficiência

O material traz 50 páginas com informações de procedimentos técnicos e legais para o desenvolvimento de programas de inclusão dentro das empresas, abordando etapas como a sensibilização no ambiente de trabalho, a importância do mapeamento de cargos e funções, além de soluções de tecnologia assistiva, acessibilidade, treinamento e capacitação.

Podendo servir como um guia de bolso para profissionais que atuam na área de Recursos Humanos, a cartilha foi criada com o intuito de quebrar preconceitos e fortalecer os princípios da inclusão, como o respeito à diversidade humana e a promoção da acessibilidade nos ambientes.

Além de cumprir o percentual de cotas, o empresariado deve trabalhar as diferentes necessidades de cada indivíduo dentro do ambiente de trabalho, oferecendo acessos e ferramentas para que qualquer funcionário desenvolva suas funções com autonomia. Hoje, infelizmente, mais de 40% das empresas não cumprem as cotas para funcionários com deficiência. Segundo o Ministério do Trabalho a média de execução da lei é 21%. Em dez vagas que o país deveria destinar a pessoas com deficiência, apenas duas são preenchidas.

O baixo número também é um reflexo das dificuldades que o cidadão com deficiência enfrenta no dia a dia para sair de casa. Sem calçadas em boas condições e transporte acessível é quase impossível garantir que uma pessoa com deficiência chegue com autonomia e segurança ao local de trabalho.

Ou seja, a acessibilidade não deve estar presente apenas da empresa para dentro. Tem que ser trabalhada como um dos pilares da mobilidade urbana. Afinal, de que adianta um funcionário cego ter acesso em sua empresa a softwares com leitor de tela, se a calçada que o leva até o seu trabalho não tem piso podotátil nem calçamento adequado? Se o ônibus não tem espaço para o seu cão-guia nem aviso sonoro? Ou o pior: se o motorista do veículo sequer para no ponto para que ele possa utilizar o serviço?

Garantir acessos implica em atitudes que integrem o ser humano em todas as áreas da sociedade. É uma questão de atitude, de agir de maneira acessível às diferentes necessidades de cada um. E o trabalho é sem dúvida uma das principais ferramentas de integração social. Além de garantir poder de consumo, dignidade e bem-estar, é o que nos permite almejar metas. Sonhar. Paralisada do pescoço para baixo desde os meus 26 anos, sempre fui ativa – antes e pós-tetraplegia. A realidade é que deficiência alguma subtrai a inquietação de alma e nossa vontade de produzir.

Esse desejo reside em qualquer pessoa com deficiência. Cabe aos gestores públicos planejarem cidades que se adaptem à diversidade humana. E compete às empresas permitir que as pessoas aflorem suas capacidades e contribuam com seu talento.

Tags: , , , , ,

Não GosteiGostei (+1 rating, 1Votos)
Loading...

i.social

2 Responses para “Trabalhar a Inclusão”

  1. On 15 de outubro de 2012 at 17:58 Arnaldo Bandeira respondeu com... #

    Gostaria de dar os “Parabéns” a vocês pela citação deste tema, pois realmente o que as empresas no Brasil estão fazendo, é procurando atingir a cota (%) estabelecida(o) por lei, utilizando-se da contratação de pessoas, na maioria dos casos, “Portadoras de Deficiências Físicas”, esquecendo que todos os deficientes, independente do tipo, são “Portadores de Necessidades Especiais”.
    Digo isso, pois tenho uma filha com “Deficiência Auditiva” e por diversas vezes, tentamos colocá-la no mercado de trabalho através dos programas de inclusão social a portadores de necessidade especiais e nunca conseguimos, uma vez que para investidura nos cargos, em alguns casos, são precedidas de exigências incondizentes com o tipo de cada deficiência. Por exemplo: Minha filha é portadora de Deficiência Auditiva. Exigências: Falar Inglês. Coisas desse tipo.
    Tentamos também por diversas vezes, sua inserção no mercado, cadastrando-a em programas de recrutamento de uma grande empresa a nível nacional na área de mineração, sem grande sucesso. E o que mais nos estranhou, foi descobrir por intermédio de uma pessoa amiga nossa que trabalha nesta “grande” empresa, que a pessoa responsável pelo recrutamento de pessoas com necessidade especiais, era uma pessoa portadora de deficiência física. Estranho, né, discriminação dentro de um mesmo grupo???
    Ah! conseguimos inseri-la no mercado de trabalho. Mas, não pelos “meios legais”. Foi através de amizades. Isso me deixa um pouco triste, pois milhares (ões) de pessoas podem não ter essa mesma oportunidade.

    Mas, acreditamos que com a luta de instituições como a I. Social e nós (familiares) e os Poderes Legislativos, Executivos e Judiciários, muitos avanços serão alcançados nesta área.
    Abraços,
    Arnaldo Bandeira

  2. On 4 de janeiro de 2013 at 18:15 RAFAEL MARCOS GARCIA respondeu com... #

    Parabéns pelo site. Jesus é fiel

Adicione sua resposta